Como otimizar a Operação através de melhorias na IHM – Parte 5 – Ciclo de Vida e Documentação

“A designer knows he has achieved perfection not when there is nothing left to add,
but when there is nothing left to take away.”

Antoine de Saint-Exupery

O estabelecimento de um Ciclo de Vida para as IHM’s é uma importante definição da norma ISA101. O Ciclo de Vida pretende regrar todo os aspectos das IHM’s desde a criação, implantação, operação e até a sua manutenção. O Ciclo de Vida compreende:

  • Padrões e Documentação do Sistema: contém a fundamentação para a elaboração das IHM’s.
  • Projeto: definição dos aspectos funcionais, de hardware e software das IHM’s.
  • Implementação: criação da IHM na plataforma alvo e posta em marcha.
  • Operação: fase de produção, inclui a manutenção e gerenciamento de alterações.
  • Processo Contínuo de Melhorias: procedimentos de auditoria e manutenção das IHM’s.
2017-02-25
Fonte: Arc Advisory Group / ISA 101

Os Padrões e Documentação do Sistema são compostos pelo Documento de Filosofia de IHM, pelo Guia de Estilos da IHM e pelos Toolkits. Estes componentes devem ser elaborados ou revisados sempre que um novo sistema for ser criado ou quando alterações significativas nos processos ou sistemas ocorrerem.

  • O Documento de Filosofia da IHM deve ser elaborado com as considerações e princípios a serem seguidos nos projetos de IHM, considerando os aspectos humanos, melhores práticas e requisitos funcionais, tudo isto em forma independente da plataforma de software do fornecedor.
  • O Guia de Estilos entra nos detalhes funcionais de implementação e funcionamento da IHM, mostra como devem ser feitos e como funcionam os componentes da interface, levando em conta as especificidades do processo controlado. Este documento também deve ser independente da plataforma alvo. Note que esta parte de documentação pode ser reaproveitada em caso de mudança de fornecedor ou troca/upgrade de sistema. Pode ser aproveitada também para elaborar a especificação do sistema de IHM em novos projetos.
  • O Toolkit é a implementação dos elementos básicos, objetos e templates, já na plataforma alvo, que servirão para a comporem as telas de IHM propriamente ditas.

Um trabalho bem embasado, criterioso e com atenção aos detalhes nesta parte de fundamentação, pode evitar muitos problemas e economizar muito tempo no resto do ciclo de vida da IHM.

Na Fase de Projeto da IHM devem ser feitas as seguintes tarefas:

  • Requisitos funcionais, do usuário e das suas tarefas. Visa identificar as atividades que serão desempenhadas através da IHM.
  • Especificação do Projeto da IHM. Tem por objetivo definir a plataforma de IHM, interfaces, comunicação e controles a serem realizados.
  • Projeto das Consoles. Define toda a parte de hardware, software e mobiliário a serem empregados na solução.
  • Projeto das Telas. Identifica as telas necessárias e os esquemas de navegação e hierarquia.

A Fase de Implementação é dividida nas seguintes atividades:

  • Elaboração das Telas, bases de dados, alarmes e configurações.
  • Montagem das Consoles: construção física das consoles de operação.
  • Testes: testes das telas e sistemas antes de colocar em ambiente produção.
  • Comissionamento: teste e operacionalização já em ambiente de produção.
  • Treinamento e certificação dos usuários. É importante que aos usuários sejam apresentados os documentos filosóficos e de padronização para que entendam como está fundamentada a construção da IHM.

A Fase de Operação da IHM compreende:

  • Colocação em Serviço.
  • Manutenção: manter a IHM sempre funcional, correta, atualizada e otimizada.
  • Desativação: gestão da desativação parcial ou total das IHM’s.

O Processo Contínuo de Melhorias é composto de:

  • Gestão de alterações: considera os impactos das alterações a serem introduzidas nos processos, tarefas e requisitos funcionais. Deve garantir a segurança e efetividade da operação do processo.
  • Auditagem: verificação de que as IHM estão sendo gerenciadas e mantidas de acordo com os padrões estabelecidos.
  • Validação: conferência do atendimento aos requisitos funcionais, da realização efetivas das tarefas operacionais e da conformidade dos aspectos humanos/ergonômicos.

Com este artigo encerro esta série. Espero ter contribuído para difundir esta metodologia tão importante que pode trazer enormes benefícios em segurança, produtividade e economia na operação de processos.

Ricardo Olsen in-2c-14px, MEng. :: https://dscsys.com

#SCADA #HMI #IHM #interface #ISA101 #operação #subestação #medições

Copyright © 2017 Ricardo L. Olsen. All rights reserved.

Advertisements